Terça-feira, 31 de Março de 2009

Desce a noite sobre a terra

Os homens curvam-se nos 50 cm que sobram entre a noite e o solo. Os mais altos são obrigados a rastejar e, de entre estes, os menos experientes preferem andar de gatas. Os que se atrasam a encontrar um buraco para pernoitar são espalmados pela noite, quando esta completa o seu movimento descendente como uma tampa negra.

Por volta das 6 horas começa a ouvir-se as pesadas roldanas que erguem a gigantesca tampa e os homens, as árvores e os prédios voltam a erguer-se.

Se não fosse uma ou outra fissura que aparece nas paredes, assim como no tronco das árvores e no pensamento de alguns homens, ninguém diria que todas as noites as coisas passam por este ritual.

publicado por Clara Umbra às 21:20
link do post | comentar | ver comentários (11)
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Preconceito

Ninguém o conseguia convencer de que uma jaula não era lugar para um homem da sua condição social habitar.

publicado por Clara Umbra às 23:19
link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 29 de Março de 2009

Em que pensas enquanto fazes o jantar?

Foi à despensa buscar o aspirador e desenrolou o fio. Andou pela casa a observar atentamente os tapetes e escolheu um que teria 2 m2... talvez um pouco menos. Era de lã, beige, debruado a vermelho. Aspirou-o e coseu uma linha que se soltava num dos cantos. Por fim, pegou na sua melhor máquina fotográfica - a Leica V-LUX 1 que comprara recentemente - enrolou o tapete e subiu ao telhado.

Os vizinhos do 4ºD, a quem caiu um tapete na varanda, ficaram com ele; fartos de que os do 5ºD sacudissem os tapetes na janela, acharam que ficar-lhes com o tapete seria uma boa vingança e que eles nunca teriam coragem de descer para reclamar o objecto caído.

Nunca ninguém compreendeu por que razão o vizinho do 2ºE se suicidou com uma máquina enrolada no braço e ninguém notou que faltava um tapete na casa dele (amigo nenhum conhecia a casa com esse detalhe).

publicado por Clara Umbra às 21:01
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

exercício sobre Exercício de arco e corda

Fechado no instante como se fosse um círculo, o homem exigia a si próprio falar do que existia através do poema e do resto do seu corpo.

publicado por Clara Umbra às 23:39
link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 24 de Março de 2009

Fogo preso

A sua humanidade tinha origem incendiária.

publicado por Clara Umbra às 02:35
link do post | comentar | ver comentários (7)
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

hi5

 Retomando a série "fotografias tiradas provavelmente com um Nokia fraquinho" [se clicarem na imagem vêem-na (ligeiramente-quase-nada) melhor]:

 

(foto Clara Umbra)

publicado por Clara Umbra às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Brincar com o fogo

Vieram de todas as partes e por motivos diferentes: a uns movia o dever, a outros a ambição, a outros a curiosidade e a outros o metal fundente. Quando nas gargantas destes se derreteu o metal, ficaram as suas feridas expostas perante toda a assembleia, e ainda bem. Só nas feridas se vê que há sangue por baixo das folhas da pele.

publicado por Clara Umbra às 01:32
link do post | comentar | ver comentários (3)
Terça-feira, 17 de Março de 2009

Ikimono no kiroku

Poucas coisas a transtornavam tanto como ver o marido à mesa, durante a refeição, com um osso na mão. Não era uma questão de boas maneiras, era o desrespeito por uma lógica animal (como lhe chamava) que a perturbava: "em nós, os ossos estão por dentro," – dizia – "um homem não pega, assim, num osso. Osso, carne, pele, osso novamente... não pode ser."

Nos seus piores pesadelos, via Circe transformar o seu marido em cão: a coleira com uma pequena bolsa para o telemóvel e para o maço de cigarros, o carro mal estacionado à porta da casota.

publicado por Clara Umbra às 01:01
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 16 de Março de 2009

O homem sem novidade

Quando encontrava amigos que lhe perguntavam o que tinha andado a fazer nos últimos tempos, dizia, com sinceridade, "a controlar-me, a ganhar liberdade à tirania mecânica e repetitiva das minhas emoções". E não era pouco.

publicado por Clara Umbra às 16:16
link do post | comentar | ver comentários (4)
Domingo, 15 de Março de 2009

O eclipse

A carruagem está parada na estação. A mulher olha pela janela e vê dez, doze pessoas, umas apenas o rosto, outras o corpo inteiro. Observa-as demoradamente, com um gosto visível.

A marcha recomeça e as pessoas distanciam-se. Inclina mais a cabeça de encontro ao vidro, mas as últimas pessoas da estação desaparecem e ver o seu próprio rosto fá-la recuar rapidamente e desviar o olhar.

publicado por Clara Umbra às 23:56
link do post | comentar | ver comentários (7)
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

Eu fecho os olhos e não vejo o mundo - disse -, vejo pensamentos

"Aristóteles disse que só os humanos conseguem fechar os olhos e continuar a ver o mundo à sua volta" – ouviu ele, e esta ideia não lhe saiu mais da cabeça.

Fechou os olhos e viu todos os homens à sua volta com os olhos fechados e os mundos de cada um à volta deles, num rodopio sem paz, a sugar-lhes os olhos. Abriu os olhos, assustado, e viu todos os homens do mundo, assustados e de olhos bem abertos. Apercebeu-se de que, afinal, isso estava a ser imaginado e que, portanto, ainda devia ter os olhos fechados e voltou a fechá-los e a abri-los várias vezes, até acertar, mas desconcentrou-se e nunca mais soube se tinha os olhos abertos ou fechados, como  quando fallta a luz e nós, por distracção, continuamos a acender e a apagar interruptores e nunca sabemos se vamos dar conta ou não de que a luz voltou.

publicado por Clara Umbra às 23:07
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 11 de Março de 2009

O ferreiro divino e o contador de histórias

Hoje estive na forja do coxo Hefesto, o único deus feio do Olimpo. Do seu fogo, porém, saíram histórias e no lugar do martelo esteve uma pandeireta.

A História pode ser circular e cheia de peripécias – como o escudo de Aquiles – mas decididamente não se repete.

publicado por Clara Umbra às 00:04
link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 10 de Março de 2009

O caso Carochinha

Era um caso difícil de resolver: não havia móbil, nem suspeitos, nem testemunhas, apenas a habitual arma do crime – uma panela de sopa.

publicado por Clara Umbra às 01:29
link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

O dia da mulher

A mulher saiu de casa à espera de encontrar o dia da mulher. Encontrou outras mulheres que esperavam o mesmo e outras que esperavam outras coisas. Encontrou coisas que não esperava encontrar e coisas que não a esperavam a ela. Também se desencontrou de umas quantas coisas: umas que nada fazia prever que delas se iria desencontrar e outras que toda a gente sabia que ela não iria nunca encontrar, nem mesmo que este dia fosse só o desta mulher, quanto mais sendo o de todas. É pouco um dia para todas as mulheres, além de ser publicidade enganosa, pensou.

publicado por Clara Umbra às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (5)
Domingo, 8 de Março de 2009

A maturidade

Hoje fui visitar a minha mãe. Ela tinha, como todos os anos nesta altura, as magnólias a florir no cabelo.

publicado por Clara Umbra às 23:49
link do post | comentar
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

El Fad

No deserto, passa a serpente, aos esses, para não estragar o relevo ondulado da areia. A seguir, passa o canguru, rápido. Por fim, o gato, desconfiado, enquanto a lua inteira fareja o seu dorso, à procura dum pescoço fino para afagar.

publicado por Clara Umbra às 01:06
link do post | comentar | ver comentários (4)
Quarta-feira, 4 de Março de 2009

O amor de Lorna

Lorna, que corre obstinada por todo o lado, procura, agora, lenha no bosque; entre as árvores  quase despidas vêem-se as calças vermelhas. Encontrou o amor onde não o esperava e, agora que o perdeu (perdido já estava à partida), faz uma fogueira não para aquecer o que resta de si, mas para aquecê-la a ela e ao que acrescentou a si própria. Quanto mais esta mulher perde (ou parece perder), mais ganha, não há matemática que explique a ilusão.

publicado por Clara Umbra às 00:04
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

Há dias em que somos todos bons entendedores

O casal ia sentado à minha frente e eu pude ouvir, claramente, o homem suplicar à mulher que não o deixasse ficar mal. Quem se tivesse sentado, naquele mesmo lugar, um minuto antes, tê-la-ia ouvido dizer "não consigo, não consigo fazer isso que tu me pedes". Uns bons minutos antes ouviu o revisor, sem surpresa, o que o homem, falando muito baixo, rogava à sua mulher (que não era outra mulher, era a sua): que o matasse, com um tiro na nuca, num lugar e numa data a combinar, mas que não lhe destruísse o rosto, que não o deixasse ficar mal.

publicado por Clara Umbra às 22:15
link do post | comentar | ver comentários (8)

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

DOWNBEAT

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitiométrio

Add to Technorati Favorites