Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Nocturno (parte final)

Depois, passa à fase seguinte. Selecciona, numa operação que demora algum tempo, as nove músicas que intimamente já escolheu e em cujas letras se encaixam, por alguns segundos, mais raramente por alguns minutos, partes do discurso de cada um dos pacientes.

O Dr. V. conhece tão bem o homem-matéria com significado que sabe perfeitamente o que dizer e fazer para que cada paciente diga as palavras de que ele precisa, quando não as diz espontaneamente. As palavras que se encaixarão numa determinada letra em que está a pensar, naquele preciso momento, durante a consulta. Não é difícil:  todas as pessoas dizem as mesmas coisas e são terrivelmente previsíveis – costuma dizer. Quando necessário, o Dr. V. vicia um pouco o jogo, como já se viu: basta um ligeiro jeito na mão habituada para que o dado caia com a face desejada para cima.

Muito esporadicamente, acontece algo que lhe agrada de forma particular: alguém foge à letra em que ele pensara. Os lábios da presa fogem ao controlo do predador, devolvem-se ao seu legítimo proprietário e conduzem o médico para músicas diferentes daquelas em que ele pensara inicialmente.

 

Agora, o Dr. V. está a fazer correr, no computador que está à sua frente, toda a aplicação que vem construindo há anos e anos: mais de vinte mil rostos, que cantam, num playback casual, centenas de músicas.

Milhares de rostos a exprimir todos os sentimentos do mundo, um puzzle da humanidade e da música, um puzzle do homem-matéria com significado, um texto gigantesco de palavras que ele acomoda e faz funcionar.

A última contribuição é a da mulher que queria ser um lápis, mas eis que surge um desses agradáveis contratempos. No movimento dos seus lábios, não se encaixa, afinal, a música que supusera ser a mais adequada. Antes mesmo de ter tempo para se preocupar, porém, ocorre-lhe o óbvio: revê o excerto do filme e confirma que se encaixa perfeitamente o refrão da música que passou a tarde a assobiar: Someone to watch over me.

Definitivamente, as pessoas são mesmo muito previsíveis – conclui.

publicado por Clara Umbra às 21:45
link do post | comentar
12 comentários:
De Moyle a 5 de Dezembro de 2008 às 00:08
genial
De Clara Umbra a 5 de Dezembro de 2008 às 01:00
Nada disso, tem as vírgulas mais-ou-menos nos sítios certos, só isso.

Mas obrigada na mesma!
És uma pessoa boa... está visto... nada a fazer, é mais forte do que tu! ;)
De Moyle a 5 de Dezembro de 2008 às 01:06
nunca me dei ao trabalho, no secundário, de prestar atenção à análise morfossintáctica [era em poesia mas o que interessa aqui é the big picture], pelo que acredito na questão das vírgulas [verdade seja dita que, em nenhuma ocasião, senti as tais cócegas nas sinapses que acontecem quando algo está fora do sítio].

o que me interessa é mesmo o resto, o que se entrelê, o caminho para onde o texto nos leva. a minha tabela do que é bom só tem dois níveis: o que eu gostaria de ter feito e o que não. e esta história gostaria de tê-la imaginado:)
De Moyle a 5 de Dezembro de 2008 às 01:07
e escrito também, claro:)
De Clara Umbra a 5 de Dezembro de 2008 às 20:53
Psch! Sei tão bem o que é isso [de gostar de ter escrito um texto em particular...]! ;)
Obrigada! :)
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2008 às 14:17
Fantástico!
De Clara Umbra a 5 de Dezembro de 2008 às 20:55
Danke!
De Teté a 8 de Dezembro de 2008 às 00:21
Olá, Clara!

Desculpa não ter deixado comentário aqui, mas nunca sei como comentar nos blogs sapo: às vezes escrevo e não aparece, outras aparece em duplicado.

Mas gostei muito mesmo desta tua história, um pouco surrealista é certo, mas muito irónica!

Beijinhos e bom feriado!
De Clara Umbra a 8 de Dezembro de 2008 às 22:05
Obrigada!

Então há queixas dos blogues Sapo... ? Um dia destes eles compensam-te: deixas um comentário e sai-te um príncipe! :)
De Moyle a 16 de Dezembro de 2008 às 01:08
já lá vai quê, uma semana? só para confirmar:)
De Clara Umbra a 17 de Dezembro de 2008 às 23:13
Querido Moyle,
constrangimentos vários têm-me impedido de;
não querendo dramatizar, digo-te, a minha vida é uma tragédia.
De Moyle a 18 de Dezembro de 2008 às 00:23
http://www.youtube.com/watch?v=yjnvSQuv-H4

Comentar post

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

DOWNBEAT

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitiométrio

Add to Technorati Favorites