Sábado, 12 de Janeiro de 2008

Assobiar pr'ó lado

Gosto de deixar a minha chaleira a assobiar alto, à noite, até me aperceber de que os vizinhos do andar de cima acordaram. Também já experimentei pôr os Tool, mas não tem o mesmo efeito porque se nota que é de propósito.

publicado por Clara Umbra às 03:03
link do post | comentar
8 comentários:
De Brockston Über Alles a 12 de Janeiro de 2008 às 11:07
Experimente Stockhausen. Ninguém ouve Stockhausen de propósito.
De Clara Umbra a 12 de Janeiro de 2008 às 14:04
No capítulo dos algo tortuosos só tenho Bartók − Quarteto de cordas − mas àquela hora é capaz de ser suficientemente desassossegante.
Grata pela sugestão.
De Brockston Über Alles a 12 de Janeiro de 2008 às 14:23
Bartók é bom a qualquer hora do dia, portanto não seria uma boa escolha (na minha opinião). E sim, eu vi e ouvi o Mehldau a interpretar a Exit Music no Rivoli, pouco depois de ter editado o Art Of The Trio Vol. 3. E conheço as obras que citou dos Bad Plus. Destacaria também a versão destes últimos do Chariots Of Fire do Vangelis.
I
sto é tanta cultura que até mete nojo.
De Clara Umbra a 12 de Janeiro de 2008 às 17:08
Tem razão, mas para o nojo total aqui vai.

Não caia na tentação fácil de pensar que, sendo tão inteligente, espirituosa e culta, eu deverei ser um traste feio; se pensa assim, desengane-se. Tamanha concentração de qualidades chega a ser injusta, é certo, mas o que está feito, está feito, e não vou ser eu quem se vai queixar.
Claríssima.
De Brockston Über Alles a 12 de Janeiro de 2008 às 17:22
Não se ofenda, por favor, referia-me, obviamente, à cultura - à minha - e em jeito de elogio. Eu não fiquei ofendido; não fique você também.
De Clara Umbra a 12 de Janeiro de 2008 às 17:55
Eu percebi que se referia a si, claro, e evidentemente que não me ofendi.
Releio o meu comentário e compreendo que lhe possa ter parecido ofendida... mas o tom não era esse, asseguro-lhe, era, antes, o tom de "sim-começo-a-perceber-que-isso-é-tanta-cultura-que-até-mete-nojo-mas-veja-lá-o-que-é-nojo-a-sério-e-como-eu-também-sou-tão-boa". Brincadeirinha, portanto.
De resto, Brockston… essa auto-ironia (essa capacidade para transformar eventuais frustrações em humor) é uma das duas qualidades que mais aprecio num homem…

De afronauta a 5 de Junho de 2008 às 01:35
Eu não tenho contemplações com os meus vizinhos: sempre que posso uso o pau-de-chuva de dois metros que trouxe do
Brasil. É um minuto a "chover" torrencialmente por cima da cabeça deles e sem correr o risco de desconfiarem de mim! Não há sono profundo que resista!
De Clara Umbra a 5 de Junho de 2008 às 23:42
Excelente! Mas... eu optaria por utilizar o pau de outra forma... menos subtil... e mais primária...! :)

Comentar post

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

DOWNBEAT

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitiométrio