Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008

Fisicamente (4ª e última parte)

O médico tem cerca de 50 anos, é alto e tem olhos azuis. No consultório há um rádio, já com alguns anos, que apanho no intervalo de duas músicas, de forma que, quando entro, não percebo imediatamente se foi o médico que disse alguma coisa, se foi o apresentador do programa. Ele está de cabeça baixa, sobre uns papéis que preenche diligentemente, o médico. Mal me olha.

Quando era miúda e tinha de me confessar, recordo-me de que, quando estava pouco conversadora, rezava para que me aparecesse um padre taciturno e rápido e, quando me apetecia conversar e expor as minhas dúvidas, ansiava por encontrar um padre falador; muitas vezes, porém, me trocavam as voltas, talvez até demasiadas vezes. Penso nisso agora, enquanto me sento diante dele, do médico, que espécie de médico será. Penso também na obsessão que sentia com a revisão mental dos pecados, antes da confissão, e o medo de me esquecer de algum - chegava a contá-los, como mnemónica – tal como pensei já hoje, vezes sem conta, em tudo o que fiz ontem.
Conto-lhe tudo. O que fiz, o que senti, tudo. Ele olha-me com um ar bondoso e compreensivo, como que a incitar-me a que continue. Continuo, de facto, mas não por ele. E concluo. Como esse lápis, digo, gostava de não existir, como esse lápis. Ele continua a olhar-me da mesma forma e faz-me uma pergunta absurda Ah, então gostava de morrer, é isso? Deseja morrer? Constato, sem surpresa, que ele não percebeu nado do que eu lhe disse, mas como num orgasmo, ou como perante a explicação paciente de um professor, eu finjo que sim, que senti, que compreendi, ou que fui compreendida – neste caso. Certo, vamos tratar disso, eu vou ajudá-la, isso vai passar, diz o médico à paciente que sou eu.
Saio do consultório, há pessoas cá fora que me vêem sair. É uma mulher, sem uma expressão visível – notam –, quem sai, e caminha pelo corredor; mas adiante – o corredor é longo - já parece um homem de cabelos encaracolados negros, mais adiante – naquela zona as árvores do parque do hospital projectam algumas sombras – um velho cego (pela errância do percurso), mais além, quase a dobrar a esquina do corredor, já só é possível avistar-se uma fina linha, como a de um lápis. Coisa estranha, todas as pessoas que estavam sentadas na sala de espera improvisada do corredor do hospital tiveram a sensação de terem visto a mulher que saiu do consultório ser, mais à frente, outras pessoas e outras coisas. Falarão de tudo isso ao médico que com um olhar paciente e atento as ouvirá e fingirá perceber tudo o que dizem. Elas fingirão que foram compreendidas e abandonarão o consultório correndo o meu risco.
publicado por Clara Umbra às 01:09
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds