Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Nocturno (parte B)

O Dr. Jorge V. é um homem cansado. Gostava de o poder descrever melhor, mas corria o risco de mentir. Ele num momento é uma coisa, no seguinte já é outra, estaria permanentemente no limiar da falha: quando o encontrasse, ele já não era o que eu tinha conseguido reter.

Enquanto ele observa a mulher que à sua frente olha fixamente o lápis sobre a mesa, nós observamo-lo a ele. Este ciclo de predadores e presas já o interessou de forma muito apaixonada; agora cansa-o como as demais coisas.

Foi assim com a música. Quem o tenha conhecido há vinte anos não acreditará que ele agora ouve música comercial na rádio e quer conhecer os êxitos do momento para vencer competições contra si próprio.

Foi assim também com a medicina. O tempo em que andava obstinadamente às voltas no seu quarto, entusiasmado com a resolução de um problema, não parece seu e essas voltas não pertencem ao passado do seu corpo.

O Dr. V. diz qualquer coisa à sua paciente mas fá-lo muito baixo. Faz-lhe uma pergunta.

Pensa, entretanto, que ela é bonita e que, estranhamente, não se sente atraído por ela.

Adivinha o início da música seguinte e pensa que aquela música nunca poderia ser cantada por esta mulher. E pensa, novamente, nas realidades paralelas. Ele, a paciente e a cantora, alinhados – três realidades que nunca se tocam por mais que se prolonguem no infinito. A matemática aplica-se à música, à medicina, mas não ao mundo interior, propõe, intimamente. Ele, a paciente e a cantora, a girar sobre si mesmos num espaço negro e silencioso. Se eles trocarem partes do corpo, entre si, enquanto giram nesse imenso céu nocturno - ele com uma perna da paciente, com um braço da cantora - continuam a ser quem são: médico, paciente e cantora? Se ele tomar o rosto da paciente, continua a ser o Dr. V. ou é uma mulher bonita? E se a paciente receber a voz da cantora, é a cantora?

(cont.)

publicado por Clara Umbra às 00:33
link do post
De Moyle a 28 de Novembro de 2008
haverá algum sortilégio no trigésimo terceiro minuto da madrugada? ou é o destino a fazer das suas (dele)?
De Clara Umbra a 28 de Novembro de 2008
:)
Puro acaso!
Não tinha reparado!
Thanks! :)
De Moyle a 28 de Novembro de 2008
ok, rotinas então:) que é precisamente o que me está a parecer deste médico. está demasiado rotinado nele mesmo:)
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds