Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Nocturno (tudo indica que é quase quase a parte final)

É preciso dizer que o Dr. V. é um bom médico e os pacientes consideram-no atencioso, bondoso até, e competente. Mesmo que muitas vezes lhes pareça alheado e distraído, a distracção não é do doente, mas do homem, como o professor se pode distrair do aluno e continuar centrado no erro que ele comete – costuma dizer – e tal parece-lhe perfeitamente justificável. Afinal, a ele sempre lhe interessara apenas o homem enquanto matéria significante.

Como ainda naquela manhã, quando perguntara a uma paciente se ela desejava morrer. Juraria que ela lho tinha dito, apenas porque a letra da música que ouvia naquele momento dizia essas palavras. As palavras estavam na letra da música e passaram, magicamente, para o movimento dos lábios feito pela mulher, onde se vieram encaixar com rigor, logo, de certa forma, ela disse-o.

Jorge V. passou o dia no centro da cidade, andando de um lado para o outro e sentando-se, ocasionalmente, nos cafés, perdido no seu mundo interior, perpendicular à realidade. Encontrou o álbum que procurava – Live in Tokyo; encontrou um ou dois conhecidos com quem falou amavelmente e em quem deixou a forte impressão de que é um homem bom e um médico competente, como eles próprios, aliás. Dir-se-ia que quem visse esses homens a conversar não os distinguiria, nenhum traço individual, nenhuma marca de carácter, os evidenciava – nem uns dos outros, nem do resto dos homens de toda a cidade. 

Junto à noite, regressou a casa.

 

Fechado no seu escritório, o Dr. V. dedica-se, agora, à tarefa que diariamente o absorve há mais de quinze anos.

Reproduz no computador as filmagens que fez aos nove pacientes que recebeu nesse dia. Grandes planos dos rostos, quase sempre. Dos pequenos filmes, selecciona alguns pedaços – os bons, os que servem – e apaga os restantes. Como se estivesse numa operação, podemos dizer, a separar o membro saudável do menos são.

(cont.)

publicado por Clara Umbra às 00:04
link do post | comentar
5 comentários:
De Moyle a 3 de Dezembro de 2008 às 01:32
esta experiência socio(pática)lógica do dr. V acabará, porventura, com ele autossuicidando-se a ele próprio?
De Clara Umbra a 3 de Dezembro de 2008 às 01:52
Não me parece do estilo suicida. Ainda assim...
De Moyle a 3 de Dezembro de 2008 às 03:37
o "ainda assim" foi muita bondade tua ao não dizeres logo que era uma idiotice e eu não tinha captado a personalidade do protagonista:)
De Clara Umbra a 3 de Dezembro de 2008 às 18:06
Não sejas tão duro contigo mesmo... A vida, não raro, já se encarrega de o ser... [momento Oprah]
De Moyle a 3 de Dezembro de 2008 às 18:15
vou começar a saltar no sofá e a rir-me desocntroladamente e daqui a uns meses venho mostrar arrependimento público pelas minhas figurinhas:)

Comentar post

INTRO

DISCLAIMER

Este é um blogue de ficção. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência. Ou fruto da imaginação do(a) leitor(a) - o que é bom.

DOWNBEAT

SEHNSUCHT

BACKYARD

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Setembro 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

EMBERS

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitiométrio